Casal é preso acusado de torturar e matar garoto de 7 anos em Avaré - sudoestepaulista

Casal é preso acusado de torturar e matar garoto de 7 anos em Avaré

Médicos que atenderam garoto já morto constaram machucados por todo o corpo, inclusive genitália e ânus; irmão foi resgatado pelos PMs com queimaduras nos olhos.

Um homem de 29 anos e sua companheira, foram presos na manhã dessa quarta-feira, 4, sendo o homem suspeito de torturar o enteado de 7 anos até a morte. O horrendo caso aconteceu numa residência da Vila Esperança, em Avaré.


De acordo com informações ainda preliminares e colhidas por fontes e também através do G1, uma equipe da Polícia Militar estava fazendo patrulhamento pelo bairro quando encontrou a criança caída, próxima a casa em que ela morava, ao lado do padrasto, enquanto uma vizinha tentava reanimá-lo.


Questionado pelos policiais, o padrasto disse que o menino tinha se engasgado com comida e caído de uma escada. Com tentativas incessantes de tentar reanimar o garoto, os policiais o levaram o hospital de Avaré, mas infelizmente, sua entrada na unidade já foi descrita como morto.


Ainda de acordo com a PM, depois que os médicos constataram que o menino estava com muitos machucados pelo corpo, inclusive na genitália e no ânus, os policiais voltaram para a casa da criança.


No local, a PM encontrou um menino de 10 anos, irmão da criança que morreu, com seus dois olhos roxos, queimaduras de cigarro e muitos hematomas pelo corpo.


À polícia, a criança disse que o padrasto o torturava com choques elétricos. O menino foi levado para o hospital, passou por atendimento médico e foi encaminhado para prestar depoimento com o apoio do Conselho Tutelar.


Em contato com a Polícia Civil, na tentativa de confirmar as informações, fomos informados que o delegado de plantão ainda colhe informações e o registro da ocorrência ainda não foi finalizado, devido a complexidade dos fatos.

 

Cegarra Imóveis

BOM DA PESCA

Santa Cruz – Funerária

CASA DO MECÂNICO

ADS

Meines

BELLA PIZZA

Modelar Box

LPNET

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *