Tragédia em Taguaí é a maior da história rodoviária do Estado SP neste século - sudoestepaulista

Tragédia em Taguaí é a maior da história rodoviária do Estado SP neste século

Acidente é também o sexto mais trágico da história rodoviária brasileira.

.

A redação do Portal do Sudoeste Paulista usando a ferramenta de pesquisa mais poderosa do mundo, o Google, pesquisou durante todo o dia de hoje, buscando os acidentes rodoviários com os maiores números de mortos, no Estado de São Paulo e, também do país.


O acidente que causou a maior quantidade de mortes no Brasil aconteceu em 1960, no interior de São Paulo. Um ônibus que transportava 64 estudantes de São José do Rio Preto para Barretos, caiu de uma ponte no rio Turvo, altura do município de Guapiaçu, matando 59 dos passageiros.


O segundo maior da história aconteceu também no estado paulista. Em 1998, na rodovia Anhanguera, região de Araras, um ônibus de romeiros bateu de frente com um caminhão de combustíveis, matando 55 pessoas.


Quanto ao século em que vivemos, o maior foi registrado no dia 14 de março de 2015, no estado de Santa Catarina. Um ônibus da Costa e Mar Turismo saiu de União da Vitória, no Paraná, com destino a Guaratuba e acabou caindo em uma ribanceira na SC-418, Serra Dona Francisca. 51 vítimas fatais e 8 sobreviventes.


Portanto, esta tragédia em Taguaí, na manhã deste triste e histórico dia 25 de novembro de 2020, anunciada mundo a fora, é certamente o maior acidente rodoviário paulista neste século. No km 172 da Rodovia Alfredo de Oliveira Carvalho, um ônibus da Star Turismo, lotado de jovens trabalhadores itaienses, bateu de frente com um caminhão bitrem, ceifando 41 vidas.


A tragédia também fica marcada como a sexta maior em número de óbitos da história das rodovias brasileiras.

Tragédia em Taguaí é a maior da história rodoviária do Estado SP neste século - sudoestepaulista

SS Consultoria

Cegarra Imóveis

BOM DA PESCA

Santa Cruz – Funerária

CASA DO MECÂNICO

ADS

Meines

BELLA PIZZA

Modelar Box

LPNET

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *